terça-feira, 26 de agosto de 2008

Eu, em mim...

A verdade? Não sei. Inspiração? Talvez. Solidão? Também. Me pergunto e não encontro. Me intitulo e já mudo. Sou mulher. Sou vontade. Sou a liberdade. Busco sonhos. Busco horizontes. Quero o dia. Viajo a noite. Se eu choro. Vejo amores. Se eu amo. Sinto sabores. Sinto a vida. Vivo, acabo na morte. Durmo acordada. Acordo dormindo. Sempre seguindo. A mercê da minha sorte.

Um comentário:

Layla Lauar disse...

querida...estamos todos a mercê da nossa sorte...

que seja doce e suave a sua.

agradecida pela visita, pelo link e pela oportunidade de conhecê-la e aos seus belos poemas...gostei por demais de tudo que li aqui...parabéns

beijos


(estou te linkando tb)