sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Chuva

Chuva... fria. Que lava a alma, alivia. De olhos fechados, te ouço. De coração apertado, em ti busco. Paz... que não vem. Consolo... que não chega. Só o som, que assim, devagar, acalma. Em gotas, eu penso, na vida... nas coisas da vida. Em gotas, que molham... tocam... acredito que um dia, acabe. Assim como a chuva, que chega, de surpresa, e assusta, mas passa. Oh! Chuva que me mantém acordada. Que pode me fazer dormir. E se dormir, com chuva, esquecerei. Das palavras que tempestades trouxeram e deixaram aqui dentro de mim. Chove... chuva... tão leve. Mistura-te com lágrimas. Mistura-te com as dores... leve-as. Assim como leva, lava... avenidas e ruas. A verdade cai, como chuva. E os olhos vêem... O coração sente... A verdade... a chuva.

Um comentário:

Lis disse...

Ciça,
Bonito é uma chuva que lava e que leva a deseperança, o desamor e a desilusão.
Bom início de semana para você.
Beijinho