quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

A busca por si mesmo

O Ano Novo está chegando. O Natal está acontecendo. Mais um ano se finda. É tempo que vai e não volta mais. Por isso é época de reflexão sobre o que foi. Talvez a melhor hora para fazermos uma retrospectiva. Pensar no que fizemos por nós, pelos outros. Nas atitudes que tomamos. Nas amizades que fizemos, deixamos de fazer, ou nas amizades que terminamos. Nos amores que amamos. Nos amores que se foram. Nos deveres que cumprimos. Nos direitos que perdemos. Nas dores que tivemos. Nas vitórias que conquistamos. Em um ano, são 365 dias. Cada dia tem 24 horas. É muito tempo. Tempo que nem sempre aproveitamos como deveríamos. Então, porque não aproveitar essa época de sentimentos bons, de trocas de presentes, de lembranças das pessoas queridas para cuidarmos da pessoa mais importante de nossa vida? Me refiro a nós mesmos. Somos a pessoa mais importante da nossa vida. Temos que nos amar sempre, cuidar do nosso corpo e da nossa mente. Talvez o maior presente nesse Natal deva ser dado à nossa auto-estima. Ao nosso coração. Se erramos, e como seres humanos que somos, erramos sempre, não é feio assumir. Corrigir não é sinal de fraqueza, pelo contrário, é sinal de coragem. Só os corajosos assumem erros. Só os corajosos assumem a própria vida. Tentam de novo. Erram de novo. E mesmo assim não desistem. A preocupação com o próprio bem-estar não é egoísmo. É amor próprio. A nossa auto-estima é primordial para nosso bem-estar e, principalmente, para nosso sucesso. É difícil? Sim, é muito difícil. O mundo está cada dia evoluindo mais rápido. As pessoas se atropelam, vivem suas rotinas tumultuadas e esquecem que precisam mais do que dinheiro para serem felizes. Tudo passa muito rápido, tudo acontece muito rápido. Não é nada fácil lidar com tantas mudanças, tanta correria e busca incansável por mais e mais. Um exemplo disso é esse Natal comercial que vemos. Parece que as pessoas nem lembram mais o que significa realmente essa data. As ruas estão abarrotadas de pessoas comprando, gastando. Como se dar um presente fosse mais importante do que dar amizade, carinho, atenção, afeto. Não podemos esquecer desses sentimentos. É bonito, sim, presentear; mas mais bonito ainda é saber presentear com sinceridade, com consciência. Presentear aos outros com amor é presentear a si mesmo. Seguindo por essa linha, é possível perceber quanto tempo perdemos com futilidades. Perdemos tempo sendo mal-humorados. Contagiamos pessoas com mal-humor, coisa feia, hein! Temos que lutar contra nossos dias ruins. Respeitar nossos colegas de trabalho, nossa família. No fim, tudo isso pode acarretar numa triste e fria solidão. É preciso acordar, entender que todos somos iguais, mesmo com temperamentos e personalidades diferentes. O respeito existe para que a cordialidade impere. Respeitar é fundamental. Ter paciência também. Portanto, nada melhor do que agora, nessa época de resgate do passado, que resgatemos o que fizemos de ruim e pensemos se vale a pena repetir tudo. Brigar não é bom. Discutir não é bom. O corpo sofre. O coração também. Busquemos sempre agir de acordo com bons sentimentos. Procuremos ser mais corretos, mesmo tendo muitos defeitos. A perfeição, é claro, não existe, mas a vontade de ser melhor pode existir e, felizmente, pode acontecer, se quisermos que aconteça. A nossa felicidade só depende de nós mesmos. Das escolhas que fizermos. E mesmo às vezes escolhendo errado, é possível consertar, pois sempre depois da noite vem o dia. Uma nova chance. Então, que possamos começar hoje a melhorar nossa própria vida. Sendo melhores por nós, com certeza seremos pelo nosso próximo.
(Editorial publicado na edição 768 do Jornal O Momento)

2 comentários:

Renata Braga disse...

Faço minha tuas palavras querida!!!


E que tenhas um 2009 maravilhoso! e continues escrevendo sempre viu?


Beijosssss carinhosos!!

lis disse...

Ciça,
Sábias palavras!

Te desejo um 2009 cheio de alegria e realizações e muitas, muitas palavras!

Prazer que tive te "conhecer"!

Beijos