quinta-feira, 19 de março de 2009

Loucura?

Louca? Talvez eu seja. E quem não é, ou foi, ou um dia será? Mas, sinceramente, acredito que até os loucos precisam de limites. Muitos, não tem. Não sabem. Não vivem limites. Talvez esteja aí a razão de tantas dores no mundo. De tantas desilusões, decepções. Os loucos que maltratam, agridem, magoam. Loucos que não agem com justiça, mas de acordo com as próprias verdades, que nem sempre são verdades. Desvios emocionais ou de caráter? Não é possível saber, e nem eu sou psicóloga pra decifrar. Como simples humana, que briga entre ser racional e emocional, eu digo: é difícil ser normal, mas impossível não ser louca, pelo menos um pouquinho. Meu conselho? Que sejamos loucos dentro do normal... Parece uma grande contrariedade? Pode parecer, mas não é, afinal quem nunca arriscou? Eu já... e aqui estou. Louca, mas normal. O único cuidado? Nunca deixe que sua loucura machuque alguém... essa loucura não é normal.

3 comentários:

Lis disse...

Ciça,

A loucura faz mesmo parte da normalidade, é uma pitada, um tempero e pra ultrapassar definitivamente a linha que separa, é um nada.

(você recebeu o email? se precisar de ajuda grite lá no halos)

Beijos e bom findi!

Guilherme Floriani disse...

Que loucura isso aí, e é a mais pura verdade, dentro de uma louca anormalidade... Ciça, Ciça, Ciça!

Rayos de Luna disse...

E quem não tem o paradoxo da loucura e sensatez em cada dia não é? ;) Concordo com vc, claro que tudo pede sua medida... mas são nossas loucuras particulares que dão o toque de identidade à quem somos, são as pequenas delícias que nos fazem viver a vida com propriedade.
Bjos